Como a Rede Ethernet Industrial impulsionou a eficiência operacional no segmento de higiene e limpeza      

homem colocando o cabo de ethernet em um painel
6 minutos para ler

A Rede Ethernet industrial exige cuidados especiais se comparada a uma conexão necessária em um escritório ou em uma residência. Interferências magnéticas e um ambiente hostil são desafios que precisam ser superados para garantir que a produção não seja interrompida o tempo todo, evitando prejuízos e respeitando prazos.

Para alcançar uma operação robusta e confiável é naturalmente necessário um bom diagnóstico situacional, que suporte um planejamento elaborado e sustente uma implantação com dedicação e foco.

Para abordar o tema, contamos com o depoimento de Ricardo Afonso, consultor em inovação e tecnologia da EDGE Brasil. Ele falou sobre como se envolveu com um dos projetos mais bem sucedidos na implantação de Rede Ethernet, e que foi aplicado pelo grupo em uma empresa do segmento de higiene e limpeza.

Sendo assim, acompanhe este texto até o final e entenda como a conexão foi tratada como crucial para o futuro dessa indústria.

O que é e como funciona a Rede Ethernet Industrial?

A Rede Ethernet é fundamental para o futuro da automação industrial e se caracteriza como um meio de comunicação. Na indústria, ela é utilizada para conectar equipamentos, dispositivos inteligentes e sistemas.

Essa conexão garante que dados de performance sejam compartilhados e se tornem facilmente acessíveis para identificar gargalos, orientar a manutenção e garantir um bom desempenho nos indicadores da produção.

Como esse sistema trouxe excelência operacional para o setor de higiene e limpeza?

Segundo o nosso entrevistado, os projetos de aplicação de Rede Ethernet na indústria dependem diretamente de um trabalho extenso e abrangente de consultoria, que precisa considerar características e necessidades de cada caso.

Alguns dos pilares mais importantes que sustentam a Indústria 4.0 são a conectividade e a segurança. Afinal, sem dispositivos conectados não há transformação digital nas indústrias.

Por isso, o primeiro desafio das empresas que buscam se manter competitivas é a criação de uma rede robusta e confiável, capaz de garantir a disponibilidade de conexão dos dispositivos e das pessoas.

Essa foi a missão assumida pelo cliente e pela EDGE Brasil nesse projeto. O objetivo foi o de conectar as diversas máquinas em operação. Como falamos, uma rede industrial no chão de fábrica exige cuidados adicionais, desde o tipo de cabeamento empregado, até a topologia utilizada.

Sendo assim, Ricardo nos conta que a definição de uma boa arquitetura deve considerar a garantia de disponibilidade com base em uma topologia que acesse os equipamentos por rotas diferentes. Caso ocorra o rompimento de algum tipo de cabo por acidente ou ação de um animal roedor, por exemplo, a rede continua funcionando por outro caminho. 

Essa ação de redundância é um princípio da segurança em tecnologia da informação, mesmo considerando servidores instalados em ambientes ideais, com climatização e proteções físicas muito simples em um escritório. No chão de fábrica, ela é ainda mais importante.

O fato é que o cliente precisava de disponibilidade, pois a indústria deve permanecer produzindo. O custo de interrupções constantes é representativamente maior do que qualquer investimento em segurança, o que influencia positivamente os mais criteriosos levantamentos de retorno sobre investimento (ROI), no caso das Redes Ethernet Industriais.

Desse ponto de vista, Ricardo deixa muito claro o objetivo de atender a excelência operacional com a implantação da rede. Com o registro do desempenho e da eficiência de cada máquina na “palma da mão”, o gestor pode usufruir do que chamamos de “gestão à vista”, que se resume no fácil acesso aos indicadores de cada equipamento em tempo real.

Como a EDGE auxiliou na obtenção desses resultados?

Outra particularidade bastante destacada foi a aplicação de um projeto apoiado por uma consultoria técnica capaz de alinhar e integrar a Tecnologia da Informação (TI) e a Tecnologia da Operação (TO) — um conceito muito abordado na Indústria 4.0 e que constitui um desafio a ser vencido.

Departamentos diferentes da mesma empresa que não se comunicam, dependem desse trabalho para alinhar os profissionais da TO com os da TI. O desenvolvimento conjunto de um projeto de conectividade deve ter como referência um documento que chama CPWE – Converged Plantwide Ethernet Architecture, uma framework de design e implementação de Rede Ethernet no chão de fábrica.

Esse documento foi originalmente escrito em uma parceria entre a Cisco e um grande fabricante chamado Rockwell Automation, que operam em aliança estratégica para a entrega de conectividade no chão de fábrica. Esse documento é aplicado nos projetos de Rede Ethernet da EDGE por seguir normas internacionais de cibersegurança e conectividade de equipamentos processos.

O CPWE apoia a defesa técnica dos projetos da EDGE e dessa forma permite desenvolver uma arquitetura robusta, dinâmica e segura. Além disso, também é preciso auditar o desenho dos padrões e especificações de aquisição.

Para se ter uma ideia, o primeiro projeto do setor de higiene e limpeza assumido pelo grupo foi inicialmente programado para a aquisição de equipamentos obsoletos, inúteis aos objetivos determinados — antes de iniciada a consultoria.

A identificação dessa inconformidade permitiu adequar a verba para investir na aplicação de fibra ótica, um tipo de cabeamento muito utilizado no chão de fábrica. Ele protege contra ruídos eletromagnéticos e foi adquirido sem necessidade de suplementação do investimento, apenas com base em remanejamento inteligente de recursos.

Como resposta, o feedback foi muito motivador. Especialmente porque o cliente estava diante de um grande desafio e é difícil saber como começar. O apoio de uma consultoria, baseada em experiências passadas bem-sucedidas, costuma ir muito além de evitar a compra de uma quantidade enorme de dispositivos que não atendam a interesses do projeto — mas é nesses detalhes que os gestores costumam identificar mais objetivamente os ganhos obtidos.

Além disso, algumas máquinas muito antigas podem ser conectadas na rede, o que só é possível garantir com o apoio de parceiros importantes, como a Rockwell Automation, a Cisco, a ProSoft Technology e Telit e a Moxa.

Para concluir, destacamos que a diferença e o sucesso de implantação de uma Rede Ethernet industrial robusta e confiável depende de um conjunto de habilidades e não combina com soluções parciais. Foi isso que estimulou a EDGE a evoluir para além da oferta de automação, integrando TI e TO para auxiliar indústrias na superação dos enormes desafios que têm pela frente.

Entre em contato e conte com a nossa ajuda para avaliar o impacto dessa contribuição na sua indústria. 

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-