Como melhorar a eficiência operacional na indústria?

eficiencia operacional
7 minutos para ler

A indústria brasileira não está em seus melhores dias. Embora tenha se mantido estável no início de 2019, vários setores têm apresentado queda na produtividade em comparação aos anos anteriores. É o que aponta a avaliação da Confederação Nacional da Indústria (CNI). Nesse cenário, a eficiência operacional é decisiva para a manutenção da competitividade.

Pensando nisso, entrevistamos o Thiago Marques, Business Manager do Grupo EDGE para produtos Rockwell Automation, uma das empresas de maior relevância na automação industrial mundial. Olha só o que ele nos disse: “A melhoria operacional está diretamente relacionada aos processos implementados e se esses processos estão funcionando da maneira mais eficiente”.

Mas que processos são esses? Como melhorar a eficiência do parque fabril? Leia este artigo e conheça os 5 serviços fundamentais para esse objetivo!

O panorama industrial brasileiro: queda na produtividade

O cenário da indústria brasileira não tem sido muito animador. É o que mostra o relatório Sondagem da Indústria mais recente, realizado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) em conjunto ao Instituto Brasileiro de Economia (Ibre). O índice de confiança na indústria por parte do empresariado é um dos menores desde dezembro de 2017.

A baixa demanda acaba sendo refletida nos resultados. De acordo com a reportagem da Folha, que traz dados do IBGE, a queda na produção no primeiro semestre de 2019 foi bastante acentuada em relação ao mesmo período do ano passado. É por isso que a produtividade na indústria entra em pauta como um assunto relevante.

O desafio de manter eficiência operacional no Brasil

Quando se trata da baixa produtividade, nosso entrevistado afirma que o uso de equipamentos obsoletos entra em jogo como um dos maiores responsáveis. São máquinas que passaram do tempo de vida útil ou que utilizam peças já ultrapassadas.

Além disso, falta planejamento por parte dos gestores para identificar oportunidade de melhorias e elaborar mapeamentos de riscos. Ele enfatiza que “a maioria das paradas não programadas vem da sobrecarga de equipamentos e máquinas”.

Outro grande desafio da produtividade é a gestão operacional sem automação. No contexto da Indústria 4.0, uma das grandes vantagens é que pode ocorrer a interação entre processo e máquina, mas, pelo que nos diz o Business Manager, em muitas empresas isso ainda é feito apenas com a intervenção humana.

Assim, erros de digitação no comando do operador, momentos de distração ou de esquecimento na hora de dar algum comando podem ocasionar uma parada. O resultado? A perda de produtividade em toda a linha de produção.

Os 5 serviços que vão melhorar a eficiência na sua indústria

Diante desse cenário, temos uma boa notícia: há uma solução para aumentar a eficiência operacional. Aliás, não só uma, mas cinco! Veja quais são as recomendações do Thiago.

1. Avaliação das máquinas para melhoria de performance

O primeiro ponto é eliminar a sobrecarga de equipamentos, por meio da melhoria na performance de máquinas. E isso está relacionado a um bom conhecimento da base instalada. Para o especialista, a lógica é simples: “Se você não conhece a máquina, não tem como identificar os pontos de melhoria.”

No entanto, ele também lembra que não basta identificar pontos de melhoria na máquina, como riscos de parada ou um equipamento que já passou da vida útil. Também é importante mapear “a capacidade de utilização da máquina e da linha de processo”.

Para tanto, existem serviços de consultoria em que são feitas avaliações de todo o parque fabril. Com base nisso, os gestores avaliam os maiores riscos à produtividade e planejam os investimentos de melhoria.

2. Investimentos descentralizados

Um desafio aqui é fugir das aplicações pontuais que de pouco resolvem a questão da eficiência e ter uma visão mais global. Tendo em vista o mapeamento de riscos, os investimentos são feitos apenas onde há os maiores pontos de melhoria — é uma relação de custo-necessidade que acaba atrapalhando a produtividade.

O Thiago é claro ao lembrar que as máquinas estão em linha de produção. Ou seja, para aumentar a eficiência operacional, não adianta buscar soluções pontuais. Para ele, o ideal é analisar o chão de fábrica e investir em todos os riscos, não apenas no mais relevante, pois qualquer falha pode comprometer todo o processo produtivo.

3. Automação industrial

Para evitar a interferência de falhas humanas na eficiência operacional, a automação industrial é um dos serviços essenciais. Principalmente em processos repetitivos ou em momentos de crise na linha de produção, a tomada de decisão por parte de máquinas autônomas é decisiva na manutenção da produtividade.

A grande sacada aqui é que, com os avanços nos estudos de Machine Learning e Inteligência Artificial (IA), as máquinas não somente conseguem tomar decisões, como identificar padrões — esse é um dos traços da fábrica do futuro (que, na verdade, já está bem inserida no presente).

Assim, os processos se tornam mais ágeis e há um retorno do valor humano da linha produtiva, pois os operadores podem ter seus conhecimentos técnicos melhor aproveitados quando são auxiliados por máquinas inteligentes.

4. Contratos de disponibilidade e monitoração

Conhece o seu estoque de spare spart? Essa e uma das saídas que as indústrias encontram para resolver crises: ter uma reserva de equipamentos para, caso haja defeitos ou paradas, a troca seja feita rapidamente e a linha de produção volte à ativa.

No entanto, nosso entrevistado dá um alerta: “o estoque spare part é um ativo da empresa”. O que isso significa? Que traz custos do ponto de vista contábil e operacional, já que devem ser declarados fiscalmente e podem gerar alto custo com impostos, por exemplo, além de ocupar espaço físico no parque fabril e necessitar de investimento sem retorno inicial.

Mas há uma solução que vai ao encontro da eficiência operacional: os contratos de disponibilidade feito com empresas especializadas, como o Grupo EDGE, através das empresas Ladder e Intereng.

Assim, “isso não entrará com ativo da empresa. Ele (o gestor) pagará o serviço e esse serviço garante que as peças que ele não tem em estoque estejam disponíveis dentro da planta dele, mas como um estoque da Ladder ou Intereng”.

Os contratos de monitoração funcionam de modo semelhante: uma empresa contratada fica responsável por acompanhar online todos os riscos da linha de produção, de modo que as intervenções sejam feitas proativamente. Essa monitoração remota melhora até a segurança no chão de fábrica.

5. Suporte técnico capacitado

Por fim, o especialista também indica o suporte técnico com capacitação tecnológica como um dos serviços essenciais para a eficiência operacional. “A capacitação é muito importante para que a pessoa conheça as novas tecnologias disponíveis no mercado, de modo a entender se faz sentido implementar algo no momento”.

Esses são os 5 serviços fundamentais para melhorar a eficiência operacional na indústria. Eles tratam, sobretudo, da atualização do mindset dos gestores e da adequação do parque fabril ao que a Indústria 4.0 exige.

Antes de ir, compartilhe o conteúdo nas suas redes sociais para que mais gente saiba como alavancar a produtividade na indústria!

Você também pode gostar

3 thoughts on “Como melhorar a eficiência operacional na indústria?

Deixe uma resposta

-